Home Distrito Federal Câncer colorretal é o terceiro tipo de tumor mais comum no mundo

Câncer colorretal é o terceiro tipo de tumor mais comum no mundo

0
Câncer colorretal é o terceiro tipo de tumor mais comum no mundo

Durante todo o ano, entidades governamentais e sociedade civil organizam ações voltadas à conscientização sobre diversas doenças. No calendário da saúde, o mês de março recebeu a cor azul-marinho para alertar a população sobre o câncer colorretal, o terceiro tipo de neoplasia mais frequente e a segunda maior causa de mortes por câncer no mundo. Como o nome sugere, a região afetada compreende o cólon e o reto, situados na parte final do intestino grosso.

A campanha Março Azul-Marinho alerta a população sobre o câncer colorretal | Foto: Divulgação/ Iges-DF

“O câncer colorretal é prevenível. Sabemos, a partir de dados globais, que a prevenção reduz em até 40% o risco de óbito nos pacientes diagnosticados precocemente”, afirma o chefe da Assessoria de Política de Prevenção e Controle do Câncer (Asccan) da Secretaria de Saúde (SES-DF), Gustavo Ribas.

Praticar atividades físicas e manter uma dieta balanceada são, segundo o especialista, fundamentais para evitar a ocorrência de tumores em geral. “Exercícios físicos estimulam células imunomediadas [autoimunes], como os linfócitos T, que auxiliam o organismo no combate às células cancerígenas”, explica Ribas.

“A prevenção reduz em até 40% o risco de óbito nos pacientes diagnosticados precocemente”

Gustavo Ribas, chefe da Assessoria de Política de Prevenção e Controle do Câncer da SES-DF

Neoplasia é uma proliferação desordenada de células no organismo que formam uma massa anormal de tecido. Os tumores podem ser classificados como benigno ou maligno. O primeiro tipo tem, geralmente, um crescimento lento e ordenado, apresentando limites definidos. Já o segundo, também conhecido como câncer, tem um crescimento mais rápido, com células que não apresentam diferenciação e invadem tecidos vizinhos.

Cura possível

A aposentada Marilda Santana de Assis, 69 anos, vinha notando uma fraqueza incomum. Por vezes, sentia a perna ficar gelada e vinha emagrecendo sem causa aparente. “Pensei que pudesse ter alguma coisa a ver com anemia, essas coisas”, recorda.

Curada de um câncer colorretal, a aposentada Marilda Santana investiu em hábitos saudáveis | Foto: Ualisson Noronha/ Agência Saúde

Ela continuou a ignorar os sintomas até que, numa certa manhã, sentiu uma glândula próxima ao ouvido inchar. “Eu não sentia nada, mas notei que precisava de ajuda”, conta. Primeiro, buscou a Unidade Básica de Saúde (UBS) 5 do Gama. De lá, foi encaminhada ao Hospital Regional do Gama (HRG) para consultar uma proctologista. Em 2013, realizou o exame de colonoscopia e recebeu o diagnóstico.

“Quando o médico fala que é câncer, parece que escutamos que estamos morrendo”, diz a aposentada. O pavor inicial, porém, logo foi dissipado. Em poucos dias, Marilda passou por uma cirurgia sem intercorrências no HRG. Em seguida, a quimioterapia foi iniciada com acompanhamento de profissionais do Hospital de Base (HBDF), centro de referência no tratamento de câncer. Sem precisar sair de casa, a cada 15 dias ela tomava dois comprimidos, totalizando oito ciclos que duraram seis meses.

Hoje, prestes a completar 70 anos, Marilda atribui à experiência sua mudança de hábitos – ela pratica exercícios todas as manhãs; e, desde 2013, não há qualquer recidiva da doença.

Praticar atividades físicas e manter uma dieta balanceada podem evitar a ocorrência de tumores | Foto: Breno Esaki/ Agência Saúde

Sintomas

Ribas explica que as manifestações relacionadas à doença dependem de magnitude, intensidade e frequência. “De modo geral, a presença de alguns sinais específicos nos orienta a fazer uma investigação sobre a suspeita do câncer colorretal”, explica. Os sintomas são a presença de sangue nas fezes, cólica em diferentes locais do abdômen ou em todo o abdômen, dores ao evacuar, diarreia ou prisão de ventre, mudanças de apetite e perda de peso sem uma causa aparente.

Grupos suscetíveis

Entre os principais fatores de risco para o câncer colorretal estão a idade acima de 50 anos, sedentarismo, excesso de gordura corporal (sobrepeso e obesidade), abuso de álcool, tabagismo e maus hábitos alimentares. O baixo consumo de fibras, presentes em verduras, leguminosas e frutas, e uma alta ingestão de carnes processadas, mais conhecidas como embutidos (salsicha, bacon, presunto e peito de peru, entre outros), também aumentam a chance de desenvolver a doença. Comer carne vermelha em excesso – mais de 500 gramas por semana – é outro fator de risco.

A probabilidade também é maior em pacientes com histórico familiar de câncer colorretal ou que já tiveram câncer de intestino, ovário, útero ou mama. São mais suscetíveis, ainda, pessoas com síndromes inflamatórias do intestino (como retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn) há mais de dez anos, ou que tenham certas doenças hereditárias, como a polipose adenomatosa familiar (FAP) e o câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC).

Outro fator de risco consiste na exposição ocupacional à radiação ionizante (como raios X e gama). Profissionais da radiologia médica, forense e industrial, por exemplo, devem ter cuidados redobrados ao exercer suas atividades.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Agência Brasília