Home Distrito Federal Com menor taxa de analfabetismo do país, DF é referência em educação

Com menor taxa de analfabetismo do país, DF é referência em educação

0
Com menor taxa de analfabetismo do país, DF é referência em educação

“Voltar a estudar abriu minha visão de que enquanto há vida, há esperança”. É assim que Elzenir da Silva Gonçalves, de 52 anos, descreve a experiência de completar um ano de estudos no Centro Educacional 2 de Taguatinga, uma das unidades de Educação para Jovens e Adultos (EJA) do Governo do Distrito Federal (GDF).

Ela deixou as salas de aula ainda na adolescência, no interior do Maranhão, para trabalhar ao lado do pai com atividades do campo. Mudou-se para o DF, e aqui se casou e dedicou os dias ao esposo e aos dois filhos. Aos 51, sentiu um despertar para buscar os próprios sonhos, depois de passar por um processo de adoecimento mental e físico.

Elzenir da Silva Gonçalves, de 52 anos, é aluna do Centro Educacional 2 de Taguatinga | Foto: Geovana Albuquerque/Agência Brasília

“Eu tenho muito orgulho de usar esse uniforme escolar. Orgulho porque faço questão que olhem para mim e vejam que eu não tenho mais 17 anos, mas estudo em uma escola do GDF. Estudar para mim é sinônimo de liberdade, e agora eu consigo ter visão e abrir novos horizontes para a minha vida”, relata a estudante.

Elzenir é uma das milhares de pessoas que ajudam o DF a se posicionar como a unidade da Federação com a menor taxa de analfabetismo do país (1,7%). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mais recente, divulgada em 22 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador também posiciona o DF bastante abaixo da média nacional, de 5,6%.

Além disso, o resultado também representa uma evolução rumo à meta de erradicar o analfabetismo na unidade federativa. Entre 2022 e 2023, o índice teve uma queda, e diminuiu de 1,9% para 1,7%. Um reflexo da efetividade das políticas do Governo do Distrito Federal (GDF) voltadas para a alfabetização, tanto na infância quanto entre jovens e adultos.

O Distrito Federal é a unidade da Federação com a menor taxa de analfabetismo do país (1,7%), segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua mais recente

Referência no país

Segundo a diretora da Educação de Jovens e Adultos da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF), Lilian Sena, a educação na capital da República tem diferenciais que contribuem para posicionar a unidade federativa no topo do ranking de alfabetização do país.

A primeira delas é a descentralização do ensino e a facilidade de encontrar uma instituição educacional perto de casa. Ao todo, são 97 unidades escolares da EJA, distribuídas ao longo das 14 regionais de ensino, atendendo a demanda das regiões administrativas e estudantes do Entorno.

Outro ponto importante é que a matrícula pode ser realizada a qualquer momento, mesmo após o início do ano letivo. “Basta chegar na escola e, caso ele não tenha comprovação de escolaridade, a gente aplica um diagnóstico para identificar em qual etapa ele será inserido”, explica a diretora.

A educação na capital da República tem diferenciais que contribuem para que o DF esteja no topo do ranking de alfabetização do país. Uma delas é a descentralização do ensino e a facilidade de encontrar uma instituição educacional perto de casa. Ao todo, são 97 unidades escolares da EJA, distribuídas ao longo das 14 regionais de ensino, atendendo a demanda das regiões administrativas e estudantes do Entorno

“Outro diferencial é que trabalhamos com formação continuada dos profissionais da educação para que eles possam trabalhar na perspectiva da andragogia [ensino para adultos]. Ela considera que a alfabetização na fase adulta é diferente da realizada na infância. O profissional precisa de uma preparação para desenvolver esse trabalho sem infantilizar a oferta”, destaca Lílian Sena.

Esse é um cuidado constante da professora Silvana Leite, que também atua no CED 2 de Taguatinga. Além de uma didática voltada para o público adulto, o ensino após os 15 anos também demanda flexibilidade. “Quando o estudante está faltando por conta do trabalho, ou porque precisa ficar com os filhos, a gente entrega atividades para eles fazerem em casa, liga quando eles estão faltando, faz o máximo para eles não desistirem”, admite.

Segundo ela, a maior parte dos adultos que procuram a EJA não está em busca de recolocação profissional, mas da realização de um sonho. “Aprender a ler e escrever é um símbolo de liberdade e dignidade. Também representa autoestima, e é um ato de cidadania”, destaca a educadora.

Alfabetização tradicional

Além da formação para jovens e adultos, a Secretaria de Educação realiza um trabalho integrado com foco em educação adequada para as crianças em idade de alfabetização, elemento estruturante para uma trajetória de aprendizado bem-sucedida.

O Programa de Alfabetização e Letramento no Distrito Federal (Alfaletrando) tem como objetivo garantir o direito à alfabetização de crianças até os 7 anos de idade, e é a prioridade da Secretaria de Educação este ano para as 383 instituições do DF que oferecem o 1º e o 2º ano do ensino fundamental

Um dos destaques é o Programa de Alfabetização e Letramento no Distrito Federal (Alfaletrando), instituído pela SEEDF em fevereiro deste ano. A iniciativa tem como objetivo garantir o direito à alfabetização de crianças até os 7 anos de idade.

De acordo com a pasta, este ano a prioridade será a implementação do programa em todas as 383 instituições do DF que oferecem o 1º e o 2º ano do ensino fundamental, concentrando esforços nos anos iniciais do grau de escolaridade.

Para os anos seguintes, a proposta é estender as ações do programa para as demais séries do ensino fundamental. O programa conta com uma abordagem pedagógica inovadora, utilizando recursos e práticas educacionais modernas para estimular o interesse e a participação dos estudantes.

Segundo dados atualizados da Secretaria de Educação do Distrito Federal, 56 mil alunos estão na fase de alfabetização nas unidades de ensino da capital. Outros 18 mil estão matriculados na Educação para Jovens e Adultos, entre os quais 1,2 mil cursam o 1º e o 2º segmentos, etapas iniciais do processo de aprendizagem nesse formato.

Fortalecimento do ensino

Na avaliação do diretor da Escola Classe 314 Sul, Bruno Louredo, projetos da Secretaria de Educação voltados para a etapa da alfabetização são fundamentais em um contexto pós-pandemia, enquanto os alunos ainda vivem os reflexos do período longe das aulas presenciais.

“Esse direcionamento do Governo do Distrito Federal é muito importante porque a gente ainda sofre algumas consequências do ensino remoto. Apesar dos esforços, faltou o acompanhamento diário com o professor, e a chance de reorientar o estudante na hora da atividade”, detalha o profissional.

Louredo explica que o resultado é uma trajetória educacional mais efetiva. “Alfabetizar no tempo certo, além de preencher essa lacuna que ocorreu, começa a sanar dificuldades cada vez mais cedo. Com isso, os anos seguintes passam a ser apenas uma revisão, uma consolidação daquilo que a criança aprendeu. E os ganhos são inúmeros, inclusive, a iniciativa contribui para que o aluno tenha um 5º e um 6º anos melhores”.

O pequeno Miguel, de 7 anos, é um desses estudantes. Ele está no 2º ano do ensino fundamental, na Escola Classe 314 Sul. Ele tem apresentado facilidade para aprender a ler e escrever e interesse pelos estudos, segundo a mãe dele, Gisllaine Azambuja.

Ela elogiou a disponibilidade e atenção dos educadores da instituição com as famílias e alunos. “Essa etapa é muito importante, porque vai fazer muita falta lá na frente. E a escola tem sido excelente, o acesso a eles é muito fácil, estão sempre cuidadosos e dispostos a ajudar. Tem sido uma grande parceria”.

Fonte: Agência Brasília