- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
21.6 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

DF e Goiás mobilizam forças da Saúde contra a dengue

“Juntamos aqui profissionais de grande expertise e com muita vontade de trabalhar”
Lucilene Florêncio, secretária de Saúde

Representantes das secretarias de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) e de Goiás (SES-GO) reuniram-se, nesta terça-feira (16), para discutir medidas eficazes no combate à dengue na região do DF e Entorno.

O encontro teve como objetivo estabelecer ações conjuntas entre as secretarias de Saúde do DF e de Goiás | Foto: Jhonatan Cantarelle/Agência Saúde-DF

“Precisamos fomentar esse trabalho conjunto entre o DF e Goiás”, enfatizou a titular da pasta no DF, Lucilene Florêncio. “Para isso, juntamos aqui profissionais de grande expertise e com muita vontade de trabalhar. Desejo que possamos realizar ações que tenham como foco a população e os usuários do SUS [Sistema Único de Saúde] tanto no DF quanto em Goiás.”

Durante a reunião, o subsecretário de Vigilância e Atenção Integral à Saúde de GO, Luciano Moura, ressaltou a necessidade de organizar o fluxo de informações de pacientes que transitam entre as duas regiões: “Temos os pacientes que moram em Goiás, mas que passam o dia no DF e vice-versa. Diante disso, precisamos pensar em ações conjuntas, abrangendo tanto a assistência quanto a vigilância. Essa abrangência visa organizar o fluxo e as informações desses usuários para que possamos adotar a política mais adequada”.

Informações compartilhadas

O superintendente de planejamento da SES-GO, Rasível dos Reis Júnior, apresentou as diretrizes da pasta: “Montamos gabinetes de crise nos hospitais, nas UPAs [unidades de pronto atendimento] e nas secretarias municipais de Saúde para conseguirmos as informações em tempo real em cada uma das localidades”.

O município de Águas Lindas de Goiás, vizinho ao DF, enfrenta um cenário epidemiológico preocupante, razão pela qual o governo goiano instalou o gabinete de crise na região.

O subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Divino Valero, reforçou que o compartilhamento de experiências na identificação de estratégias de contenção vetorial é fundamental. “A troca de informações é essencial para discutirmos ações factíveis, pois, para o mosquito, não há fronteiras”, disse. “Dentro do que estiver ao nosso alcance, dentro de uma razoabilidade do entendimento, poderemos analisar e aperfeiçoar as ações”.

*Com informações da Secretaria de Saúde (SES-DF)

Fonte: Agência Brasília

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -