- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
24.6 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

Pesquisa ampliada em domicílios prossegue em 25 mil endereços

A Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios Ampliada (PDAD-A), realizada pelo Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF), começou em novembro de 2023 e continua nas ruas da capital federal e dos municípios goianos vizinhos ao DF. A meta é visitar 25 mil domicílios em sete meses. Os dados obtidos serão utilizados pelos gestores públicos na elaboração e implementação de políticas adequadas às necessidades da população, além de investimentos mais efetivos.

De acordo com a diretora de Estatística e Pesquisas Socioeconômicas do Instituto, Dea Fioravante, as regiões mais ricas estão resistentes a responder a pesquisa,  e “isso prejudica planejamentos públicos de diversas naturezas: desde compra de vacinas até pavimentação, por exemplo. Ações públicas que toda região precisa, seja ela rica ou pobre” | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Realizada bianualmente, a PDAD-A é a atualização da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD), considerado o mais importante levantamento regional domiciliar e que busca mapear o perfil da população e a infraestrutura domiciliar. Nesta edição, a pesquisa foi ampliada para além da área urbana, compreendendo a área rural do DF e os municípios de Goiás que integram o chamado “Entorno”, somando as localidades anteriormente abrangidas pela PDAD Rural e a Pesquisa Metropolitana por Amostra de Domicílios (PMAD).

Os agentes de coleta seguem entrevistando moradores de 26 regiões administrativas, sendo elas Arapoanga, Arniqueira, Brazlândia, Candangolândia, Ceilândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Itapoã, Jardim Botânico, Núcleo Bandeirante, Paranoá, Plano Piloto, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, SCIA/Estrutural, Sobradinho, Sobradinho II, Sol Nascente/Pôr do Sol, Taguatinga, Varjão e Vicente Pires, além da área rural.

Na Região Administrativa de Planaltina e no município do Novo Gama, a coleta amostral está finalizada. Águas Lindas, Cidade Ocidental, Luziânia, Padre Bernardo, Planaltina e Valparaíso são os municípios goianos nos quais os agentes de coleta seguem atuando. Água Quente, Águas Claras, Fercal, Lago Norte, Lago Sul, Park Way, SIA, Sudoeste/Octogonal e áreas específicas do Plano Piloto, como o Noroeste, receberão a visita dos agentes em breve. Em Goiás, Alexânia, Cocalzinho, Cristalina, Formosa e Santo Antônio do Descoberto também.

A diretora de Estatística e Pesquisas Socioeconômicas do Instituto, Dea Fioravante, relata que os agentes estão com dificuldades para realizarem as entrevistas em algumas regiões e alerta para as consequências: “Notamos que as regiões mais ricas continuam resistentes para responder o questionário da pesquisa. Essa baixa adesão gera sub-representação dessas populações, ou seja, os dados não serão capazes de fornecer um retrato fiel dessas regiões. Isso prejudica planejamentos públicos de diversas naturezas: desde compra de vacinas até pavimentação, por exemplo. Ações públicas que toda região precisa, seja ela rica ou pobre.”

*Com informações do IPEDF

Fonte: Agência Brasília

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -