- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
24.6 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

Justiça catarinense coordenará grupos reflexivos para mulheres vítimas de violência

Os grupos reflexivos para as mulheres em situação de violência doméstica serão conduzidos, em janeiro e fevereiro, por uma equipe multidisciplinar do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). O primeiro encontro deste ano está marcado para terça-feira (16/1), das 19h30 às 21h. O evento é on-line e aberto às mulheres de todo o estado.

Denominada Projeto Espelhos, a iniciativa é uma parceria entre o TJSC, a prefeitura municipal de Florianópolis e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os outros encontros serão realizados nos dias 30 de janeiro, 6 e 20 de fevereiro. São encontros independentes, que não constituem um curso. Ou seja, a pessoa pode escolher uma dessas datas. Ao mesmo tempo, pode participar de quantos grupos quiser.

Conforme Andréia Isabel Giacomozzi, do Departamento de Psicologia da UFSC, “o grupo reflexivo funciona como um espaço acolhedor e facilitador de mudanças por meio do diálogo e do compartilhamento de vivências e experiências entre mulheres que viveram situações semelhantes”.

Quando a UFSC retomar as aulas, a partir de março, os encontros voltam a ser facilitados pela equipe do curso de Psicologia, com datas a serem definidas. Nas férias, os grupos estarão sob responsabilidade dos integrantes da Central Especializada de Atendimento às Vítimas de Crimes e de Violência Doméstica e Familiar, do Poder Judiciário.

A desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho, responsável pela Cevid, enviou ofício a todos os magistrados e magistradas, no qual solicita o engajamento das comarcas nesta ação e pede que ela seja divulgada pelas redes de assistência de cada município. “O objetivo é que as vítimas de violência doméstica tenham a oportunidade de participar deste relevante serviço de acolhimento e reflexão”, disse.

Os encontros ocorrem pelo Google Meet e as inscrições devem ser feitas neste link.

Fonte: TJSC

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

Fonte: Portal CNJ – Agência CNJ de Notícias

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -