- PUBLICIDADE -
17.7 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

Libras e audiodescrição trazem acessibilidade para sessões do Tribunal do Amapá

Erick Renan é intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras) há quatro anos. Seu interesse pela linguagem surgiu em 2016, quando resolveu fazer um curso de extensão promovido pela Universidade Federal do Amapá (Unifap). No ano seguinte, começou a estudar no curso Letras-Libras da universidade. Agora formado, ele atua como professor e intérprete de Libras no Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP).

“A nossa equipe tem um bom número de integrantes. Durante a sessão [do , nós fazemos um rodízio de 20 minutos para casa intérprete”, explica Renan. Ele observa que muitas pessoas acham que o trabalho é simples, mas garante que é muito cansativo e exige muito do corpo e mente. “Com a nossa equipe em rodízio, podemos produzir um conteúdo de qualidade e da melhor maneira possível.”

A equipe que atua na instituição ainda conta com Jayanne Pontes Antunes e Erika Figueiredo. Jayanne também se formou na Unifap em Letras-Libras, foi professora do projeto de extensão Libras para a Comunidade e fez pós-graduação para se tornar intérprete. Ela relata que o seu interesse surgiu quando estava concluindo sua primeira graduação em Educação Física e teve a disciplina de Libras. “Foi amor à primeira vista. Eu me apaixonei pela matéria e resolvi iniciar o curso no ano de 2013.”

Erika Figueiredo conta que sempre teve facilidade com o estudo de línguas e por isso escolheu a graduação em Letras-Libras. Por meio de cursos, a intérprete se habilitou a desenvolver essa função. Após iniciar suas atividades no TJAP, Érica se aperfeiçoou na linguagem jurídica para desenvolver melhor sua função.

Audiodescrição

A coordenadora do grupo de audiodescrição que atua no TJAP, Elza Lopes, tem 11 anos de estudos na área, já fez cursos em diferentes estados e participou de encontros nacionais e internacionais. Atualmente, a audiodescritora faz palestras no Amapá para desenvolver a profissão. “Esse trabalho não é só para a educação. Ele abrange diversos espaços no estado, como acontece hoje aqui no TJAP. É importante levar isso com muito profissionalismo, porque as pessoas que vem ao tribunal precisam compreender tudo que acontece.”

Durante a Sessão da Secção Única do TJAP, realizada na última quinta-feira (7/7), Edilana Vitória, fez a sua estreia como audiodescritora. Ela vinha fazendo parte de um treinamento intensivo de dois meses com Elza e afirmou estar muito contente por participar da equipe desenvolvendo uma função crucial.

TJAP Acessível

A acessibilidade é um dos principais fatores para que todos os membros da sociedade tenham os seus direitos garantidos. Por isso, o TJAP conta com um grupo de audiodescritores e intérpretes de Libras para tornar a instituição completamente inclusiva. Os profissionais dessas áreas que trabalham no TJAP atuam nas sessões judiciais, cerimônias e eventos do Poder Judiciário do Amapá.

A audiodescrição é um recurso de inclusão que torna mais acessíveis filmes, cerimônias e sessões judiciais às pessoas com deficiências visuais por meio da tradução de imagens em palavras. A Libras é a forma que pessoas surdas ou com deficiência auditiva podem se comunicar em sociedade, pois utiliza as mãos e os dedos para produzir gestos em substituição a língua oral.

Segundo o IBGE, há no Brasil cerca de 10 milhões de pessoas com alguma categoria de deficiência auditiva e 6,5 milhões de pessoas com alguma deficiência visual. Com essa equipe especializada, o TJAP garante o direito das pessoas com deficiência que precisam da instituição.

Fonte: TJAP

Fonte: Portal CNJ – Agência CNJ de Notícias

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -