- PUBLICIDADE -
14.6 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

Live da Justiça Eleitoral do DF debate assédio no ambiente de trabalho

Na segunda-feira (30/5), a Comissão de Prevenção e Enfrentamento aos diversos tipos de Assédio do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) promoveu a live “Sem aTREvimento: uma conversa sobre ética e respeito no ambiente de trabalho”. O assessor de Comunicação do Tribunal, Fernando Velloso Filho, destacou que o evento debateu “de forma ampla a problemática dos diversos tipos de assédio existentes na esfera profissional”.

O presidente da Comissão, desembargador Renato Gustavo Alves Coelho, destacou que a palestra encerrou a “semana dedicada a qualquer tipo de assédio ou relacionamento abusivo ou discriminatório no ambiente de trabalho e reforça nosso compromisso do tribunal em não aceitar qualquer tipo de prática como essa”.

A palestrante convidada foi a subdefensora Pública do Distrito Federal, Domenique Ribeiro. Ela explicou que o tema foi “potencializado por conta da pandemia, onde todos nós viemos para o ambiente doméstico, trouxemos o nosso trabalho para ele e todos os desafios que são inerentes a isso”.

Sobre as diversas formas de manifestação da violência no ambiente de trabalho, a subdefensora reforçou que “muitas vezes ela é feita de maneira muito sutil. Ela não necessariamente é verbalizada, ela pode ser interiorizada como, por exemplo, quando uma pessoa quer dar uma idéia e ela é constantemente interrompida, ou mesmo com gestos”.

A palestrante frisou que “faz parte desse processo de estigmatização – seja ele de qualquer grupo – que em determinado momento desse processo, a própria vítima se convença sobre aqueles estigmas que estão sendo levados pelo grupo. Ou seja, muitas vezes, a própria vítima do assédio moral vai acreditar que é incapaz, que tem que ficar calado, que faz um trabalho ruim e que não merece reconhecimento”.

Ela ainda reforçou que o ocorre no ambiente laboral é reflexo da sociedade. “Não há dúvida de que as mulheres estão, sim, mais vulneráveis a esse tipo de exposição, porque o patriarcado traz essa sensação e essa expectativa de submissão das mulheres. Quando as mulheres tendem a se posicionar no ambiente laboral, elas são tidas como histéricas, grossas. E o mesmo, quando acontece vindo de um homem, você já tem uma posição diferente, ele é tido como firme.”

A respeito do posicionamento das organizações em relação ao assédio, a subprocuradora destacou que “precisamos estar com esse olhar atento, e fazer com, que a denúncia, os relatos de eventual conflito dentro do ambiente de trabalho, capaz ou não de caracterizar o assédio, não seja um problema organizacional. Precisamos abrir esse espaço de oitiva e não culpabilizar as pessoas que estão fazendo eventual denúncia”.

Fonte: TRE-DF

Fonte: Portal CNJ – Agência CNJ de Notícias

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -