- PUBLICIDADE -
17.7 C
Distrito Federal
- PUBLICIDADE -

Produtividade do Judiciário goiano cresceu 50% no primeiro semestre

“O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) atingiu um patamar que merece ser comemorado e merece ser considerado em relação à produtividade e à celeridade da prestação jurisdicional.” A frase do presidente do TJGO, desembargador Carlos França, pronunciada durante a posse dos novos juízes substitutos em segundo grau nessa terça-feira (26/7), é comprovada com números. A evolução na quantidade de sentenças e acórdãos, despachos, decisões e audiências chega a 50%.

De janeiro a junho deste ano, mais de 2 milhões de atos já foram praticados. Foram produzidos mais de um milhão de despachos, 835 mil decisões, 466 mil sentenças e acórdãos e realizadas quase 459 mil audiências. Na comparação com o mesmo período de 2021, o percentual mostra uma evolução de 27% tanto no número de sentenças e acórdãos quanto no de decisões e de 7% nos despachos.

Já em relação aos anos anteriores, 2020 e 2019, o aumento é ainda maior. O número de decisões de magistradas e magistrados em 2022 é 50% superior ao de 2019. E o de sentenças e acórdãos proferidos subiu 35% em relação ao mesmo ano. Na comparação com 2020, esse aumento foi de 39% nas decisões e 36% em sentenças e acórdãos.

O relatório também demonstra uma evolução no número de audiências realizadas: de 17% em relação a 2021 e de 27% se comparado a 2020. “Esses números comprovam o trabalho incansável das magistradas e magistrados de primeiro grau, julgadores do segundo grau, a atuação dos juízes substitutos em segundo grau e dos servidores do Poder Judiciário goiano”, afirmou Carlos França.

Segundo o desembargador, “esses dados só aumentam a nossa responsabilidade no sentido de continuar avançando e entregando uma prestação jurisdicional cada vez mais célere”. “E quem ganha com tudo isso é a sociedade, porque todo o nosso trabalho, sempre, é direcionado à sociedade e ao jurisdicionado, com a fundamental participação dos atores do sistema de Justiça.”

Fonte: TJGO

Fonte: Portal CNJ – Agência CNJ de Notícias

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -